Adolescentes viram mulas do tráfico e são localizadas pela Polícia

Três adolescentes que estavam desaparecidas há mais de 10 dias foram resgatadas pela Polícia Civil em Palmas.

As meninas, duas de 13 e uma de 14 anos, estavam em poder de membros de uma facção criminosa e foram encontradas em Taquaralto, na região sul da capital.

Segundo a Polícia Civil, as malas deixadas na porta de uma delegacia na tarde deste sábado (24) estavam com pertences pessoais das adolescentes.

As meninas moram em Aparecida do Rio negro, a 70 quilômetros de Palmas. Elas fugiram de casa no dia 12 de novembro. Uma delas, inclusive, deixou uma carta para a mãe explicando porque estava indo embora.

O caso começou a ser investigado pela Delegacia de Aparecida e depois foi informado a Delegacia Especializada em Investigações Criminais (Deic).

Os investigadores apuraram que as meninas estavam em Palmas, sendo mantidas em um local com alto índice de criminalidade e intensa atuação da facção criminosa.

Segundo o delegado Leandro Risi, da Deic, uma das meninas contou para a mãe que os criminosos não queriam deixar elas irem embora.

Elas fugiram de casa, mas estavam em contato com parentes. Só que não queriam dizer onde estavam e diziam que não iriam voltar para casa.

A princípio elas estavam sendo usadas como mulas de tráfico, mas solicitamos exames para saber se também estavam sendo abusadas“, explicou o delegado.

Durante as investigações, os policiais foram até o local onde as adolescentes estavam sendo mantidas. Só que os criminosos escaparam levando as meninas.

Depois, soltaram as vítimas na região de Taquaralto, onde elas foram encontradas pelos policiais.

Ainda de acordo com a polícia, indivíduos ligados à facção deixaram os pertences das adolescentes na porta da 4ª Delegacia de Polícia, no Jardim Aureny I.

Os agentes suspeitaram que as malas poderiam conter explosivos e por isso os objetos foram destruídos pelo Esquadrão Antibombas da Polícia Militar.

Os dois jovens que deixaram a mala na delegacia foram identificados e prestaram depoimento, mas foram liberados.

Estavam apenas com a mochila e no momento o delegado não tinha elementos para ligar com o caso das meninas, mas agora tudo será investigado“, explicou o delegado.

As meninas passaram por exames de corpo delito e conjunção carnal e foram devolvidas aos pais, que compareceram a Central de Flagrantes.

As investigações vão continuar para que os criminosos que estavam mantendo as meninas em cativeiro possam ser identificados.

Ainda conforme a polícia, eles podem responder por associação criminosa, cárcere privado, exploração sexual, facilitação para corrupção de menores e associação para o tráfico. Juntos, os crimes podem chegar a 30 anos de prisão.

 

Veja mais notícias no Portal SS Notícias.

 

 

Deixe Seu Comentário Abaixo:

SubTenente Soley

Nascido aos 04 de abril de 1973 em Amambaí-MS. Policial Militar desde 1998, já prestou relevantes serviços para a sociedade tocantinense. Atualmente está lotado na área do 7º BPM - Batalhão Guará. Dedica-se, nas horas vagas, a escrever notícias de cunho informativo, jornalístico e político.

SubTenente Soley has 67 posts and counting. See all posts by SubTenente Soley